Pólo
O seu jornal de notícias impresso e na internet!

JORNAIS DA EMPRESA JORNALÍSTICA ACRM

Home Contato Culinária Diversão Editorial Educação Empresa Imóveis Negócios Notícias Parceiros Poesias Policial Política Saúde
JORNAL POLO PAULISTANO EM FLASH

Perdoar é Libertar-me

Poetisa Riselda Morais

Não gosto de magoar
Não nego, sou magoada
Aprendi a perdoar
Não sei se sou perdoada

Não deixo a ferida aberta
Faço-a cicatrizar
Ao curar a minha dor
Perdoar é me libertar

Mas não preciso esquecer
Basta-me apenas superar
E não quero reviver
Também não quero lembrar

Não guardo ressentimento
De quem quis me ofender
Não espero arrependimento
E não me deixo sofrer

Não posso guardar rancor
Para ele não me ferir
Pois a quem me magoou
Ele não vai atingir

Minha paz interior
Não depende de ninguém
Se eu for superior
Vivo melhor que esse alguém

O ressentimento seria inútil
Se não fizesse mal ao ressentido
É nocivo, é feio, é fútil
Guardar já não faz sentido

Vejo o lado positivo
E aprendo a lição
Na próxima é instintivo
Defendo-me da traição

Prossigo com minha vida
Sem a levar muito a sério
Problema com nome e sobrenome
resolve-se sem mistério

Que me liberte o perdão
Da mágoa e ressentimento
Que me habite a compaixão
Com paz e bom sentimento

Não alimento a dor
Não me vence o contratempo
Em mim que reine o amor
E benéfico me seja o tempo!

Poesias registradas - Todos os direitos reservados à autora e poetisa Riselda Morais . Permitida reprodução desde que citado o nome da autora.

Blogger de Notícias

Blogger de Poesias

Twitter
VOLTAR

ATENÇÃO: Melhor visualização em resolução de 1024x768

© Riselda Morais