Pólo
O seu jornal de notícias impresso e na internet!

JORNAIS DA EMPRESA JORNALÍSTICA ACRM

Home Contato Culinária Diversão Editorial Educação Empresa Imóveis Negócios Notícias Parceiros Poesias Policial Política Saúde
JORNAL POLO PAULISTANO EM FLASH

Olhos Tristes

Poetisa Riselda Morais

Por que choras, olhos tristes?
Não te afogues em lágrimas!

Que fez o mundo lá fora,
Para poder te magoar?
Nascestes para sorrir
Jamais para chorar

Por que choras, olhos tristes?
Não te afogues em lágrimas

Se à noite te foi cruel
O sol começa a raiar
Com o dia vem a alegria
Para a tristeza espantar

Por que choras, olhos tristes?
Não te afogues em lágrimas!

O pranto que te consome
Por entre o olhar tristonho
É dor que vem e não some
É desesperança, não sonho

Por que choras, olhos tristes?
Não te afogues em lágrimas!

A nascente da tristeza
Que te impede de sonhar
Fez forte a correnteza
Que te leva para o mar
Por que choras, olhos tristes?
Não te afogues em lágrimas!

Sabes o mar, olhos tristes?
Não quer ver você chorar
As águas dele à tuas lágrimas
Vierem se misturar

Por que choras, olhos tristes?
Não te afogues em lágrimas!

Que poderei fazer eu
Para ver sorrir, teu olhar
Dar-te a lua, as estrelas
O sol, a terra ou o mar?

Por que choras, olhos tristes?
Não te afogues em lágrimas!

O mais belo aconteceu
A água veio te encontrar
A onda que te envolveu
A tristeza veio buscar
E a lágrima que escorreu
Foi levada para o mar

Por que choras, olhos tristes?
Não te afogues em lágrimas!

O sol se fez para ti
Forte está a brilhar
É luz, é vida e veio
aquecer-te, te iluminar
Deixe a felicidade
Seu coração habitar!

Não mais chores olhos tristes
Não te afogues em lágrimas

Agora que enfim sorriste
E brilha o teu olhar
Permita a alegria
Sua vida inundar!

 

Poesias registradas - Todos os direitos reservados à autora e poetisa Riselda Morais . Permitida reprodução desde que citado o nome da autora.

Blogger de Notícias

Blogger de Poesias

Twitter
VOLTAR

ATENÇÃO: Melhor visualização em resolução de 1024x768

© Riselda Morais