Pólo
O seu jornal de notícias impresso e na internet!

JORNAIS DA EMPRESA JORNALÍSTICA ACRM

Home Contato Culinária Diversão Editorial Educação Empresa Imóveis Negócios Notícias Parceiros Poesias Policial Política Saúde
JORNAL POLO PAULISTANO EM FLASH

Canarinho

Poetisa Riselda Morais

Em casa, em Vila Matilde
Um pedacinho do mundo
De um sono profundo
Por ele eu fui despertada

Despertei encantada
Mas que linda melodia
O dia ainda nascia
O sol brilhante raiava

Enquanto eu acordava
Com o cantar do canarinho
Sorria e admirava,
levantei devagarinho

Tão lindo ele cantava
E dançava em um pé só
Virava e me olhava
Nem ligava para o jiló

É a natureza nas casas
O canário erguia as asas
Estava longe do chão
Com alegria cantava
Eu o quis pegar na mão

Porém eu não poderia
Tampouco, ele sabia
De sua triste missão
Nascido em uma gaiola
A alegrar meu coração

Lamentei por seu destino
Filho da escravidão
Desejei naquela hora
Dar-lhe a libertação
Mas livre, não viveria

A tudo desconhecia
Vivendo com alegria
Dentro de uma cidade
Cruel naquele momento
Era dar-lhe a liberdade!

 

Poesias registradas - Todos os direitos reservados à autora e poetisa Riselda Morais . Permitida reprodução desde que citado o nome da autora.

Blogger de Notícias

Blogger de Poesias

Twitter
VOLTAR

ATENÇÃO: Melhor visualização em resolução de 1024x768

© Riselda Morais