Pólo
O seu jornal de notícias impresso e na internet!

JORNAIS DA EMPRESA JORNALÍSTICA ACRM

Home Contato Culinária Diversão Editorial Educação Empresa Imóveis Negócios Notícias Parceiros Poesias Policial Política Saúde
JORNAL POLO PAULISTANO EM FLASH

Aprendizado da Vida

Poetisa Riselda Morais

Aprendi com a natureza que não devo querer mudá-la, apenas a aceitar como ela se fez, tão bela, poderosa e dona de si.Que não devo reclamar, nem a agredir, mas cuidar, proteger e perceber que a sua forma de agradecer é devolvendo generosamente tudo que lhe é oferecido, tivesse eu, no inverno ido cultivar uma rosa, na primavera dez rosas ela teria devolvido.

Aprendi com o outono, que as plantas, assim como os homens; nascem, crescem, reproduzem-se e morrem
para dar lugar a novas árvores, cujas folhas caem para o brotar de outras mais saudáveis na próxima estação,
assim como elas, devemos aceitar a morte como o renascer para uma nova vida, o transcender a um novo mundo.

Aprendi com o inverno que o frio e a neblina são como as lágrimas e a tristeza;
o frio precisa ser sentido e a neblina (orvalho) derramada, pois são preparações fortalecedoras
para o brotar das plantas, assim como quando acaba-se a tristeza e secam-se as lágrimas faz-se presente à alegria.

Aprendi com a primavera que as flores são a natureza em festa, o canto das aves a sinfonia da vida,
exuberante e plena dádiva por Deus oferecida, como a felicidade se por nós é dividida.

Aprendi com o verão, que o sol é uma libertação, que aquece a terra tanto quanto a paixão aprisiona o coração.

Aprendi com o luar que a vida é cheia de fazes:
Na Crescente está o despertar, desenvolver, o descobrir e o aceitar.
Na Cheia o amadurecer, o querer, o ter, o ser, o trabalhar e o admirar;
Na Minguante o parar, o acomodar, se orgulhar, esnobar, humilhar, o criticar e o rejeitar;
Mas a Nova vem como um recomeçar com consciência, experiência e novos sonhos a realizar.
Aprendi com a noite que muitas vezesé preciso estar sozinha na escuridão para poder ver e perceber o que na claridade
não conseguia enxergar.

Aprendi com o dia que cada amanheceré uma nova oportunidade, uma alegria que devo agradecer
por tudo que me foi concedido, principalmente por estar viva e viver com a certeza que cada minuto é um aprendizado
que não deve ser desperdiçado.

Aprendi com a vida que não devo buscar incessantemente a felicidade nas causas externas, nem nas grandes coisas,
lá fora... é que em bendita hora descobri, onde ela mora e, segui o caminho da simplicidade.
Amando sem exigir ser amada é que fui mais amada; valorizando cada momento e dando um passo firme por vez
descobri que os obstáculos do caminho não estão ali para serem removidos, mas sim, para serem superados,
foi aí que encontrei a felicidade aqui do lado, bem dentro do meu coração.
“Quando quiser encontrar a felicidade, procure-a dentro de si mesmo,
é o caminho mais curto, o mais certo e o mais perfeito”.

Poesias registradas - Todos os direitos reservados à autora e poetisa Riselda Morais . Permitida reprodução desde que citado o nome da autora.

Blogger de Notícias

Blogger de Poesias

Twitter
VOLTAR

ATENÇÃO: Melhor visualização em resolução de 1024x768

© Riselda Morais