Pólo
O seu jornal de notícias impresso e na internet!

JORNAIS DA EMPRESA JORNALÍSTICA ACRM

Home Contato Culinária Diversão Editorial Educação Empresa Imóveis Negócios Notícias Parceiros Poesias Policial Política Saúde
JORNAL POLO PAULISTANO EM FLASH
EDITORIAl

PROUNI: Tirando o doce da boca da criança!

Por: Riselda Morais

O ProUni é um programa do governo federal que oferece bolsas universitárias. Tem direito a concorrer ao benefício quem fez todo o ensino médio em escola pública, prestou o Enem e teve, no mínimo, média 45. O programa tem o nome Universidade para Todos , mas na verdade não é para todos, é apenas para quem se encaixa dentro das exigências do programa e estaciona naquela situação, sem evoluir.  A portaria do MEC diz que para ter direito a uma bolsa integral, o candidato deve ter uma renda máxima de um salário mínimo e meio (R$ 933), para concorrer a bolsas parciais, de 25% ou 50%, a renda máxima permitida é de três salários mínimos (R$ 1.866). Mas na prática a coisa não é bem assim. O aluno estudou a vida inteira em escola pública, teve boa nota no Enem, a renda familiar está dentro da exigida e ele consegue a bolsa. O que não é avisado ao aluno é que se a família dele tiver algum carro, mesmo que seja muito velho e tenha sido roubado há anos, os pais tiverem feito o Boletim de Ocorrência do roubo, mas não tiverem dado baixa no Detran, a malha fina vai buscar os dados desse carro junto ao Detran e esse aluno vai perder a bolsa, porque no ato da matricula ele não falou sobre este veiculo, afinal foi roubado. Não é informado também que a família não pode financiar nenhum carro, mesmo que as prestações sejam muito baixas como as oferecidas no  mercado, porque também vai perder a bolsa. Os pais têm a casa, a família para manter, contas de água, luz, aluguel e precisam trabalhar cada dia mais, uma vez que tudo fica mais caro a cada dia, mas se a renda familiar sair de dentro do exigido, mesmo que não o suficiente para pagar a mensalidade da faculdade, o aluno também perde a bolsa. Além do aluno e toda a família ter os dados vasculhados no Detran, ela também tem os dados cruzados junto a Receita Federal, enfim, em algum momento, ao longo do curso alguma coisa vai sair do parâmetro e o aluno perderá a bolsa. É como dar um doce a uma criança e quando ela coloca na boca, feliz da vida, você toma.
Imagine que seu filho consegue a bolsa e chega feliz da vida em uma dia, te contando a conquista como se o certificado de curso superior fosse certo em sua vida, meses depois chega chorando porque alguma coisa saiu de dentro das exigências e ele simplesmente perdeu a bolsa, não tem como pagar o curso e vai sair da faculdade. Em todo o Brasil, em todas as faculdades, nos deparamos com alunos que declaram não ter fraudado o ProUni e ter perdido a bolsa, uns por terem casado durante o curso, outros porque a faculdade fez exigências descabidas, outros porque a faculdade deixou de cumprir os prazos de entrega ou exigência da documentação, outros por não ter atualizado os dados, ou porque o bolsista ou um familiar foi promovido, mesmo que o salário não seja o suficiente para pagar a faculdade, ou por não ter tido o aproveitamento exigido (75%) durante o semestre, enfim, ouvimos e lemos muitas histórias de alunos que perderam as bolsas e estão fora das faculdades porque não conseguem pagar a mensalidade.  Por isto, digo que, o ProUni engessa a família, porque ou ela prospera muito para conseguir pagar a mensalidade do curso, que sem desconto, nunca é menos de R$ 1.000,00 ou ela tem que ficar estacionada na miséria, sem melhorar o rendimento, até que o bolsista termine o curso. Acredito que se faz necessário uma melhor análise das situações antes de tirar a bolsa. Se o aluno não teve o rendimento exigido de 75%, que tal ver porque o aluno não acompanhou a turma? Quais suas dificuldades e qual a sua história? A que distância da faculdade este aluno trabalha e mora?  É justo exigir de uma pessoa que passa por grandes problemas familiares ou grandes dificuldades o mesmo rendimento de um aluno que tem uma vida tranquila?
Se um membro da família foi promovido ou mudou de emprego, melhorou o salário: esse salário é suficiente para pagar as contas, o aluguel e a faculdade?.  E se o bolsista não mora com os pais, está em outro Estado e tem que se manter sozinho, nunca conseguirá ter acesso?.  Qual o significado de “Para Todos“? Hoje, encontra-se carro a venda com prestações de até R$ 200,00. O certo não seria vasculhar a vida do aluno antes de conceder a bolsa?  A grande vantagem do ProUni é oferecer as pessoas de baixa renda acesso ao curso superior e a principal falha do programa consiste em dar a bolsa e retirá-la quando o objetivo começa a ser alcançado, que é quando aluno ou a família começa a prosperar, é como dar um doce a uma criança e tirar da boca dela ou te fazer um convite, te receber e te expulsar no melhor da festa!

VOLTAR

ATENÇÃO: Melhor visualização em resolução de 1024x768

© Riselda Morais