Mutirão da Saúde amplia oferta de cirurgias eletivas no Estado

Foto: Alexandre Carvalho

          Um mutirão da saúde está contribuindo para ampliar o número de cirurgias consideradas não urgentes (eletivas) na rede estadual hospitalar. A intenção é acrescentar 3 mil procedimentos às 20 mil cirurgias de rotina realizadas mensalmente em hospitais e AMES (Ambulatórios de Especialidades Médicas do Estado), reduzindo assim o tempo de espera.
          O Mutirão da Saúde é resultado de parceria da Secretaria de Estado da Saúde com o Ministério da Saúde. Participam da iniciativa 36 hospitais públicos do Estado e 25 AMES. A meta é realizar 18 mil cirurgias nos próximos seis meses. Cirurgias de amídalas, próstata, varizes, hérnia, catarata, tratamento de incontinência urinária, remoção de útero, estão entre os procedimentos oferecidos.
          Para custear as cirurgias, o governo federal destinou R$ 54,2 milhões, sendo R$ 23,2 milhões para os procedimentos realizados na rede estadual hospitalar e R$ 31 milhões para as cirurgias no âmbito dos municípios. A Secretaria de Estado da Saúde entra com a infraestrutura para o atendimento e aumento da produção.
          O número de cirurgias eletivas vem aumentando no Estado no últimos seis meses. No SUS (Sistema Único de Saúde), o aumento em São Paulo foi de 16%, de 323.777 procedimentos em 2011, para 376.410 em 2016. Sob gestão estadual o aumento foi ainda maior. De 179.246 cirurgias em 2011 foram realizadas 217.102 em 2016, um acréscimo de 21%. A produção do governo estadual representa 57% do total realizado no Estado.
          No mesmo período, o número de cirurgias de catarata teve um aumento de 40% em São Paulo, passando de 83.305 procedimentos em 2011 para 116.649 em 2016. A produção sob gestão do Governo do Estado teve acréscimo de 39,9%. De 45.585 cirurgias realizadas em 2011 para 63.809 em 2016.